Miguel Borges Coelho

Natural do Porto, iniciou o estudo do piano com Amélia Vilar, prosseguindo a sua formação no Conservatório daquela cidade, com Isabel Rocha. Como bolseiro da Fundação Gulbenkian estudou na Hochschule fur Musik Freiburg, com V. Margulis e na Escuela Superior de Música Reina Sofia, com D. Bashkirov e G. Egyazarova. Venceu vários concursos nacionais de piano e obteve o 2º Prémio e o Prémio para a interpretação da obra contemporânea no XIV Concurso Internacional de Música da Cidade do Porto. Em 1998 o Ministério da Cultura atribuiu-lhe o Prémio Revelação “Ribeiro da Fonte”.

Actuou em Portugal, Espanha, França, Suíça, República Checa, Brasil e Colômbia, nomeadamente no CCB, Casa da Música, Gulbenkian, São Carlos, Euskalduna (Bilbau), Kursaal (San Sebastián), Baluarte (Pamplona), Rudolfinum (Praga) e em festivais como os de Sintra, Póvoa do Varzim, Dias da Música, Terras Sem Sombra, Folles Journées (Nantes), Quatuors à Cordes en Pays de Fayence, Mozart (Coruña), Quincena Musical (San Sebastián) e Musika/Música (Bilbao).

Foi solista com as orquestras do Algarve, APROARTE, de Câmara de Praga, Clássica da Madeira, EPMVC, Filarmonia das Beiras, Gulbenkian, Metropolitana de Lisboa, Nacional do Porto, Sinfónica de Euskadi, Sinfónica Portuguesa e Sinfonieta de Lisboa. Colabora assiduamente com o violoncelista Michal Kanka, o clarinetista António Saiote e a pianista Marta Zabaleta, tendo actuado ainda com músicos como Paulo Gaio Lima, Frantisek Novotni, Asier Polo, Gerardo Ribeiro, Pedro Ribeiro, António Rosado, Pavel Sporcl, Álvaro Teixeira Lopes, e os quartetos Capela, de Matosinhos, Prazak e Talich.

Fez estreias mundiais de obras de F. Lopes Graça e J.P. Oliveira. Gravou um CD duplo com obras de J. Peixinho (Numérica). Para a editora Praga Digitals (Harmonia Mundi), em colaboração com o violoncelista Michal Kanka ou com o Quarteto Prazak, gravou quatro CDs com obras de M. Weinberg, E. Bloch, R. Strauss, e A. Tcherepnin. O CD dedicado a Weinberg foi Choc Disc para a revista “Le Monde de la Musique” e, tal como os CDs dedicados a Bloch e Strauss, Diapasón 5 para a revista Diapasón.

Concluiu em 2016 o Doutoramento em Música e Musicologia da Universidade de Évora, com a tese «Alexander Scriabin : the definition of a new sound space in the crisis of tonality ». É Professor de piano na Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo (ESMAE), no Porto.