Biografia
Eugen Indjic

Eugen Indjic apresentou-se pela primeira vez em palco aos nove anos de idade, tocando com a Springfield Massachusetts Youth Orchestra o concerto de piano de W.A. Mozart em ré menor. Dois anos mais tarde, a Senhora Stephani apresentou o seu aluno jovem ao eminente pianista russo Alexander Borovsky, por sua vez aluno de Anna Yesipova e colega de turma de Serge Prokofiev, com quem Indjic estudou na Boston University durante os seguintes cinco anos (1959–1964).

Com 11 anos, já toucou a Campanella de Liszt e a Rapsódia Húngara n° 13 na NBC televisão. Aos 12 anos fez a sua primeira gravação em disco para a   RCA Victor no piano pessoal de Serge Rachmaninov tocando as variações Diabelli de Beethoven. Aos 13 anos, tocou o concerto para piano em mi-menor de Liszt e um ano depois o concerto para piano n° 2 de Brahms com a Washington National Symphony Orchestra.

Entre 1961 and 1969, convidado por Arthur Fiedler, Eugen Indjic apresentou-se numerosas vezes por temporada com a Boston Pops Orchestra. A sua primeira viagem de concerto abrangendo 13 concertos levou-o a Dinamarca (1963), junto com Alexander Borovsky. „Toca Chopin como um maestro polaca, Debussy como um francês e Prokofiev como um maestro russo” escreveu o jornal Politiken de Copenhaga.

Depois da conclusão dos seus estudos em 1965 na Phillips Academy Andover, Erich Leinsdorf convidou-o para tocar o concerto de piano n°2 de Brahms com a Boston Symphony Orchestra, fazendo dele o solista mais novo na história a tocar com essa orquestra.

„Bolsista de Leonard-Bernstein“ na Universidade de Harvard, Indjic estudou musicologia e composição com Laurence D. Berman e Leon Kirchner, concluindo o curso “cum laude” em 1969. Leonard Bernstein considerou-o um „pianista e músico extraordinário“ e Emil Gilels chamou-o „um artista único e inspirado“. Durante os seus estudos em Harvard, Indjic também teve aulas particulares na Juilliard School com Mieczysław Munz e Lee Thompson, aluno de Rosina Lhévinne.

Em 1968, encontrou Arthur Rubinstein que continuou a ser um amigo e mentor até a sua morte, considerando Indjic „um pianista de classe mundial de rara perfeição musical e artística.”

Estudou composição com Nadia Boulanger em Paris e estabeleceu-se definitivamente em Franca em 1972 após de se ter casado com Odile Rabaud, a neta do compositor francês Henri Rabaud que sucedeu Fauré como diretor do Conservatório de Paris e que, por coincidência, em 1919 foi nomeado o primeiro maestro francês da Boston Symphony Orchestra.

Primeiro prémio de três concursos internacionais – Varsóvia (1970), Leeds (1972) e Rubinstein Tel Aviv (1974) – Indjic tocou com as orquestras mais importantes dos Estados Unidos, da Europa e da Ásia sob a direção de maestros como Leonard Bernstein, Vladimir FedoseyevValery GergievEugen JochumRafael KubelikErich LeinsdorfKurt SanderlingGiuseppe SinopoliGeorg SoltiEdo de Waart and David Zinman, entre outros. Continua a apresentar-se regularmente em grandes palcos como a Carnegie Hall, Isaac Stern Auditorium, Avery Fisher HallQueen Elizabeth HallConcertgebouwMusikvereinSalle PleyelThéâtre des Champs-ElyséesBolshoi HallLa Scala.

Eugen Indjic foi convidado a participar numa co-produção televisiva (Franca, Polónia e Japão) das obras completas de Chopin e gravou para Polskie Nagrania / MuzaColumbia RecordsRCA Victor, Claves e Calliope.

Sua discografia inclui obras de Chopin, DebussySchumann, Prokofiev e Beethoven. Indjic dá regularmente master classes na Europa, no Japão e nos Estados Unidos e é frequentemente convidado como membro de júri de concursos internacionais de piano incluindo os concursos Chopin, Liszt Wroclaw, Rubinstein Tel Aviv, Prague Spring Festival, Lisbon Vianna Da Motta.

website